Faça sua busca
  • segredosdeindigo
    @gmail.com

  • @indigo.ayer

  • @indigo_hoje

  • @indigoescritora

  • /
  • Vida
  • /
  • Contos do corpo, 24 – A sublimação da dor
28 de agosto de 2014
574 visualizações

Contos do corpo, 24 – A sublimação da dor

Os elastiquinhos contribuíram para perfilar muito mais que minha arcada dentária. Aprumaram minha postura corporal e relativizaram o conceito de dor. A professora de ballet foi a primeira a notar. Vinte e quatro horas por dia eu sentia a pressão ferrenha dos elastiquinhos forçando meus dentes para a posição correta. Não mais a natural, mas a correta. Meu corpo se solidarizou. Passei a prestar atenção a cada detalhezinho da minha postura. Os ombros para trás, a barriga encolhida, a coluna reta, cabeça erguida, bunda presa, joelhos  e ponta do pé bem esticados, braços arredondados, as mãos suaves. Se eu conseguisse fazer com que tudo no meu corpo estivesse correto, quem sabe conseguiria aliviar o martírio dos dentes. Nas aulas de ballet, manter a perna no ar, sem tremer, sustentando com a força do abdômen, deixou de ser um problema. Arquear as costas para trás, tentando encostar os pés na nuca também. Quanto mais antinatural o movimento, mais eu simpatizava. Era uma oportunidade de repartir o castigo por todas os membros do meu corpo. A professora de ballet elogiava.

–              Muito bem, Ana Cristina. Perfeito!

Ela me chamava de Ana Cristina. O Cristina equivalia ao elastiquinho. Um elemento estranho que foi cravado ao meu nome, por pessoas que não tinham a menor familiaridade comigo.

Enquanto minhas colegas chiavam, eu me orgulhava da minha imunidade à dor. A tortura dos alongamentos não me incomodava. Aquilo era a minha vida, no dia a dia. Além do mais, para chiar eu teria de abrir a boca, coisa que estava impossibilitada de fazer.

Até nos saltos eu encontrei uma possibilidade de alívio. Eu fazia a preparação com todo capricho para que, na hora de descolar os pés no chão, conseguisse permanecer no ar o máximo de tempo possível, saboreando aqueles preciosos segundos de liberdade. Eram segundos, mas vividos intensamente. Eu decolava como um pássaro solto, leve, irrestrito.

–              Isso! – a professora de ballet estava maravilhada comigo.

Um dia, ao final da aula, ela disse que queria falar comigo.

–              Espera um pouco, Ana Cristina – ela disse, antes que eu saísse.

Esperou as outras meninas saírem e disse que gostaria de me transferir para uma turma mais avançada.

–              Fora isso, acho que você devia começar a fazer quatro aulas por semana. Duas aulas do programa regular e duas de ponta. Já está na hora de você botar sapatilha de ponta.

Botar sapatilha de ponta, na vida de uma bailarina, equivalia a “entrar para o mundo real”. Entrei.

 
  Compartilhar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Já nas livrarias!!!
Já nas livrarias!!!
21 de junho de 2022
Oficina de Escrita Orgânica em Holambra
Livro novo! Já nas livrarias
Livro novo! Já nas livrarias
4 de agosto de 2021
20 anos de estrada!
20 anos de estrada!
8 de junho de 2021
Casinha para degustação
Casinha para degustação
25 de maio de 2021
Avatar
Índigo em:
Oficina de Escrita Orgânica. Venham!
2022-05-25 16:01:12
Avatar
Isadora em:
Oficina de Escrita Orgânica. Venham!
2022-04-27 22:16:04
Avatar
Isadora em:
Oficina de Escrita Orgânica. Venham!
2022-04-27 22:15:49
Avatar
Índigo em:
Casinha para degustação
2021-06-09 10:00:27
Avatar
Marilda Arrivabene em:
Casinha para degustação
2021-05-31 10:09:34