Faça sua busca
  • segredosdeindigo
    @gmail.com

  • @indigo.ayer

  • @indigo_hoje

  • @indigoescritora

  • /
  • Vida
  • /
  • É mais forte do que eu
8 de dezembro de 2014
725 visualizações

É mais forte do que eu

Eu sei que falei que ia interromper o Contos do corpo, mas… quem disse que eu tenho algum controle sobre a minha escrita? Surgiu mais um. Aí vai.

Contos do corpo, 44 – Dedo virado

Estava descalça, fazendo xixi. Olhei para meus pés. Como quem não quer nada. Olhei por olhar e percebi que o pé esquerdo não era o meu pé esquerdo. Ele estava irreconhecível, a ponto de eu imaginar o pior. (que havia sido trocado). Não me pergunte como ou onde.
Minha primeira reação foi tocar. Para tirar a prova. Senti a minha mão encostando direitinho, como se ele fosse meu mesmo. Menos mal. Daí botei um perto do outro e olhei com mais atenção. Na verdade, não é que ele tivesse se transformado por inteiro. A mudança era pontual. Mais especificamente no dedinho que fica ao lado do dedão. Ele havia se virado para o lado. Quando? Quando ele começou a se virar?
Imagino que foi de pouquinho em pouquinho, ao longo dos anos, à noite. Não doía, não me desequilibrou, não atrapalhou em nada. Um lance discreto, mas contundente. Olhei.
Ele parecia um bebezinho adormecido, aninhado no ombro do dedão. O do pé direito continuava a postos, reto, determinado, alerta, aprumado. Aprumado é a palavra. Mas o esquerdo se virou de ladinho, como se tivesse se esquecido da sua função e caído num soninho gostoso. É um jeito de envelhecer. Relaxou, perdeu a rigidez. Por outro lado, eu sabia que precisaria dele bem firmado e reto, por questão de postura e equilíbrio. Não é que ele estivesse me boicotando. Talvez tivesse se sentiu esquecido, achou que não era lá tão importante, e foi se ausentando. Eu nem podia ficar brava, pois (apesar da idade) eu ainda dançava ballet e dança do ventre. Ele me acompanhava em todos meus desejos. Nas caminhadas, nas festas com direito a salto alto, na piscina, em viagens. Ele nunca me deixava na mão. Então aceitei o movimento e deixei por isso mesmo. Apenas fiquei surpresa por não ter percebido o processo. Também lhe agradeci porque entendi que ele estava ali como um mini-mensageiro. Meu corpo se transformava o tempo todo, e eu não estava prestando atenção aos detalhes. Começou com um dedinho, mas entendi que aquilo era apenas o começo.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Já nas livrarias!!!
Já nas livrarias!!!
21 de junho de 2022
Oficina de Escrita Orgânica em Holambra
Livro novo! Já nas livrarias
Livro novo! Já nas livrarias
4 de agosto de 2021
20 anos de estrada!
20 anos de estrada!
8 de junho de 2021
Casinha para degustação
Casinha para degustação
25 de maio de 2021
Avatar
Índigo em:
Oficina de Escrita Orgânica. Venham!
2022-05-25 16:01:12
Avatar
Isadora em:
Oficina de Escrita Orgânica. Venham!
2022-04-27 22:16:04
Avatar
Isadora em:
Oficina de Escrita Orgânica. Venham!
2022-04-27 22:15:49
Avatar
Índigo em:
Casinha para degustação
2021-06-09 10:00:27
Avatar
Marilda Arrivabene em:
Casinha para degustação
2021-05-31 10:09:34